Mistérios da Meia-noite – Zé Ramalho

 D                 G
Mistérios da meia-noite
            D
Que voam longe
           G
Que você nunca
           Bm
Nao sabe nunca
            A
Se vão se ficam
              D
Quem vai quem foi

   D                G
Impérios de um lobisomem
              D
Que fosse um homem
          G            Bm
De uma menina tão desgarrada
       A             D
Desamparada se apaixonou
E
Naquele mesmo tempo
A                    D
No mesmo povoado se entregou
    F#          Bm 
Ao seu amor porque
    E                         Em
Não quis ficar como os beatos
                          A
Nem mesmo entre Deus ou o capeta
  G             D     G A G D G A G D
Que viveu na feira

 D                 G
Mistérios da meia-noite
            D
Que voam longe
           G
Que você nunca
           Bm
Nao sabe nunca
            A
Se vão se ficam
              D
Quem vai quem foi

   D                G
Impérios de um lobisomem
              D
Que fosse um homem
          G            Bm
De uma menina tão desgarrada
       A             D
Desamparada, seu professor…

 


 

Avôhai – Zé Ramalho

(intro) Em  G   D

 

       D
Um velho cruza a soleira, de botas longas, de barbas longas de ouro o brilho do seu colar
G      A          D               A            D
Na laje fria onde quardava sua camisa e seu alforje de caçador
Em                  G        D
Oh, meu velho  invisível Avôhai
Em                  G        D
Oh, meu velho indivisível Avôhai
D                   Am           G          Am        D
Neblina turva e brilhante em meu cérebro, coágulos de sol
                            Am          G             Am        D
Amanita matutina e que transparente cortina ao meu redor
Em                              G                         D
   E se eu disser que é meio sabido você diz que é meio pior
Em                   G                        D
   E pior do que planeta quando perde o girassol
A                    G           Bm            A
   É o terço de brilhante nos dedos de minha avó
A                        G
   E nunca mais eu tive medo da porteira
                     Bm                     A
Nem também da companheira que nunca dormia só

(solo)
Em    G         D
                AVÔHAI,    avô e pai

(solo)

Em  G       D
       AVÔHAI
      D
O brejo cruza a poeira, de fato existe um tom mais leve na palidez desse pessoal
G      A               D               A                      D
Pares de olhos tão profundos que amargam as pessoas que fitar
Em                     G                              D
Mas que bebem sua vida, sua alma na altura que eu mandar
Em                    G                   D
São os olhos são as asas, cabelos de avôhai,
D                  Am             G        Am         D
Na pedra de turmalina e no terreiro da usina eu me criei
D                Am           G         Am          D
Voava de madrugada e na cratera condenada eu me calei
Em                        G                   D
Se eu calei foi de tristeza você cala por calar
Em                         G                D
E calado vai ficando só fala quando eu mandar
A                      G        Bm        A
Rebuscando a consciência com medo de viajar
A                            G                    Bm                    A
Até o meio da cabeça do cometa girando na carrapeta no jogo de improvisar
A                                       G                        Bm                       A
Entrecortando eu sigo dentro a linha reta eu tenho a palavra certa pra "dotor" num "reclamá"

 


 

Kryptônia – Zé Ramalho

Intro: D  F#m

 

 D                           F#m
    Não admito que me fale assim
D                            F#m
  Eu sou o seu décimo-sexto pai
Bm                                           F#m
  Sou primogênito do teu avô, primeiro curandeiro
Bm                                      F#m
  Alcoviteiro das mulheres que corriam sob o teu nariz

 A                                   C#m
 Me deves respeito, pelo menos dinheiro
D                                      A
  Ele é o cometa fulgurante que espatifou

Refrão:
 G                  D                        A
  Um asteróide pequeno que todos chamam de Terra
 G                  D                        A
  Um asteróide pequeno que todos chamam de Terra

( Bm  A  G  E )

( Bm  A  G  E  A  Bm )

( A )

D                           F#m
    De Kryptônia desce teu olhar
D                            F#m
  E quatro elos prendem tua mão
Bm                                               F#m
  Cala-te boca, companheiro, vá embora, que má criação!
Bm                                      F#m
  De outro jeito não se dissimularia a suma criação

F#m G#m A                                     C#m
        E foi o silêncio que habitou-se no meio
D                                      A
  Ele é o cometa fulgurante que espatifou

 
 G                  D                        Bm
  Um asteróide pequeno que todos chamam de Terra
 G                  D                        Bm
  Um asteróide pequeno que todos chamam de Terra

 


 

Visões de Zé Limeira Sobre o Final do Séc. XX – Zé Ramalho

  A            C#m
Vejo discos de metal
    D                     E
Pairando pelas noites do país
    A            C#m
Minhas loucas conclusões nada dizem
   D                      E
Residem nos cabelos de Sansão
C#m  F#m                        B
Ah!  Deuses,  Astronautas me ajudam
          E    D                 A    E    A
a conseguir    O meu velo de mercúrio

  A          C#m
A imagem milenar
  D                           E
Dos grandes dinossauros que domei
  A              C#m
Uma espaçonave é a tua residência
  D                         E
Paciência,  mas o éter me chamou
C#m    F#m                     B
Ah!    Sou um panteísta sufocado
            E      D               A
Pelas canções    Do acetato de mercúrio
 D                 A                     D                       A
E os terráqueos conseguiram finalmente conquistar sua terra maisgarrida
 D               A                 D                  A
Borboletas de acrílico puseram suas asas num cabide esquisito
          G           D             A
Gerou conflito entre as gerações febris
D                  A                   D                      A
Era um porco chovinista procurado pelo karma de lançar outro vapor
D              A                D                    A
Cogumelos nucleares iluminam as campinas do planeta abissal
       G              D          A
No carnaval dos seres brancos e azuis (bis)

                C#m
Foi eleito um faraó
   D                    E
E longas catacumbas perfurei
 A                 C#m
Pelas plainas do sertão quase quente
    D                   E
Correntes de platina separou
C#m    F#m                  B
        As águas do oceano encantado
            E     D                 A
Que Deus criou    Pelas algas de mercúrio

  D             A
O meu velo de mercúrio
  D             A
O acetato de mercúrio
  D             A
Pelas algas de mercúrio

 


 

Vila do Sossego – Zé Ramalho

 

         G                      C
Oh, eu não sei se eram os antigos que diziam
            G                C
Em seus papiros Papillon já me dizia
    Am                    D
Que nas torturas toda carne se trai
     Am                                D
Que normalmente, comumente, fatalmente, felizmente,
       F                  C                   G            Am   E

Displicentemente o nervo se contrai, oh,oh,oh,oh com precisão

       G              C
Nos aviões que vomitavam pára-quedas
       G              C
Nas casamatas, casas vivas, caso morras
Am                     D
E nos delírios, meus grilos, temer
    Am                                 D
O casamento, o rompimento, o sacramento, o documento
       F                  C              G                 Am  E

Como um passatempo quero mais te ver, oh,oh,oh,oh,oh com aflição

        G                 C
Meu treponema não é pálido nem viscoso
        G                  C
E os meus gametas se agrupam no meu som
Am                      D
E as querubinas, meninas, rever
     Am                           D
Um compromisso submisso, rebuliço no cortiço
      F              C               G         Am  E

Chame o padre "Ciço" para me benzer, oh,oh,oh,oh,oh,oh com devoção

 


 

Sinônimo – Zé Ramalho

(intro) C G Dm F (2x)

C                    G         Dm          F
Quanto tempo o coração, leva pra saber

C                     G         Dm      F
Que o sinônimo de amar, é sofrer
C                G                Dm        F
Num aroma de amores, pode haver espinhos
C                     G                 Dm        F
É como ter mulheres em milhões, e ser sozinho

G                Dm           G      F
Na solidão de casa, descansar            (riff)
G               Dm           C
O sentido da vida, encontrar
G                            Dm              F
Quem pode dizer onde a felicidade, esta. . .

C                       G                      Dm
O amor é feito de paixões e quando perde a razão
  F         G              C
Não sabe quem vai machucar
                    G                      Dm
Quem ama nunca sente medo de contar o seu segredo
    F          G          C
Sinônimo de amor é amar

G                     D         Am           C
  Quem revelará o mistério, que tenha fé
G                     D                        Am     C
  E quantos segredos traz, o coração de uma mulher
G                     D                     Am         C
  Como é triste a tristeza, mendigando um sorriso
G                       D                       Am      C
  Um cego procurando a luz, na imensidão do paraiso

D                  Am        D       C
  Quem tem amor na vida, tem sorte
D                Am                 G
  Tem a fraqueza sabe, ser bem mais forte
D                                 Am             C
  Ninguém sabe dizer onde a felicidade, está. . .

G                       D                      Am
 O amor é feito de paixões e quando perde a razão
    C          D       G
Não sabe quem vai machucar
                     D                      Am
Quem ama nunca sente medo de contar o seu segredo
   C          D         G
Sinônimo de amor é amar   (2x)

(solo) G  D  Am  C  G  Dm  F  G

C                     G         Dm          F
  Quem revelará o mistério, que tenha fé
C                     G                        Dm     F
  E quantos segredos traz, o coração de uma mulher
C                     G                     Dm       F
  Como é triste a tristeza, mendigando um sorriso
C                       G                       Dm     F
  Um cego procurando a luz, na imensidão do paraízo

C                       G                      Dm
O amor é feito de paixões e quando perde a razão
  F         G              C
Não sabe quem vai machucar
                    G                      Dm
Quem ama nunca sente medo de contar o seu segredo
    F          G          C
Sinônimo de amor é amar  (2x)

 

 


 

A terceira lâmina – Zé Ramalho

Intro: Am Bm C Dm Am E Am

 

           Bm                   C
É aquela que fere, que virá mais tranqüila
              Dm                   Am
Com a fome do povo, com pedaços da vida
              G                                  E
Com a dura semente, que se prende no fogo de toda multidão
                              Am
Acho bem mais do que pedras na mão
             Bm                  C
Dos que vivem calados, pendurados no tempo
             Dm                       Am
Esquecendo os momentos, na fundura do poço,
               E                      Am
Na garganta do fosso, na voz de um cantador

             Bm              C
E virá como guerra, a terceira mensagem,
           Dm                    Am
Na cabeça do homem, aflição e coragem
             G                                         E
Afastado da terra, ele pensa na fera, que o  começa a devorar
                            Am
Acho que os anos irão se passar
               Bm           C
Com aquela certeza, que teremos no olho
              Dm                   Am                  E
Novamente a idéia , de sairmos do poço da garganta do fosso
                  Am

(na voz de um cantador)(4x)

 


 

Garoto de Aluguel – Zé Ramalho

(intro) Am Em Dm E

 

Am                                      Em
Baby, dê-me seu dinheiro que eu quero viver
                                 Dm
Dê-me seu relógio que eu quero saber
                                 E
Quanto tempo falta para lhe esquecer
                                 Am
Quanto vale um homem para amar você
Am                          Em
Minha profissão e suja e vulgar
                              Dm
Quero um pagamento para me deitar
                               E
Junto com você estrangular meu riso
                              Am   ( Em Am )
Dê-me seu amor que dele não preciso

Am                             Em
Baby, nossa relação acaba-se assim
                                 Dm
Como um caramelo que chegasse ao fim
                              E
Na boca vermelha de uma dama louca
                                Am
Pague meu dinheiro e vista sua roupa
Am                                 Em
Deixe a porta aberta quando for saindo
                                Dm
Você vai chorando e eu fico sorrindo
                               E
Conte pras amigas que tudo foi mal
                          Am
Nada me preocupa de um marginal

(solo)  Am Em D7 E

 


 

Chão de Giz – Zé Ramalho

    G                     D                           Em    
Eu desço dessa solidão, espalho coisas sobre um chão de giz      
C                     D               G       Em                       
   Há meros devaneios tolos a me torturar                           
C                   D                   G         Em
   Fotografias recortadas em jornais de folhas a–mi–úde
Am                 Bm                         Am      D
   Eu vou te jogar    num pano de guardar confetes

Am                  Bm                         Am         D 
    Eu vou te jogar     num pano de guardar confetes

   G                       D                         Em 
Disparo balas de canhão, é inútil pois existe um grão-vizir
C                     D                  G          Em
   Há tantas violetas velhas sem um colibri
C                    D                  G        Em
   Queria usar quem sabe, uma camisa de força ou de vênus

Am                    Bm                    Am     D
    Mas não vão gozar    de nós apenas um cigarro

Am              Bm                        Am       D  
Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom

Solo: G D Em C C D  

 G                         D                     Em 
Agora pego um caminhão, na lona vou a nocaute outra vez

C                        D                 G        Em
   Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar  

C                      D                   G         Em
   Meus vinte anos de "boy", "that's over, baby" , Freud explica 
Am                  Bm                      Am     D
   Não vou me sujar     fumando apenas um cigarro

Am                 Bm                         Am    D
    Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom

Am                        Bm                       Am    D
    Quanto ao pano dos confetes já passou meu carnaval
Am                          Bm                 Am     D
    E isso explica porque o sexo é assunto popular
   Am                Bm
no mais estou indo embora
   Am                Bm
no mais estou indo embora
   Am                Bm
no mais estou indo embora