Preto Velho – Tião Carreiro e Pardinho

 

E                                               B
Perguntei ao preto velho: por que chora meu herói
                                          E
Preto velho respondeu: É meu coração que dói!

                                             B
Eu já fui bom candeeiro, fui carreiro e fui peão,
                                          E
Já derrubei muito mato e já lavrei muito chão
                 E        A
Com carinho carreguei os filhos do meu patrão
                 B                   E
Em troca do que fiz só recebi ingratidão!

(coro)
                                             B
Sempre chamei de senhor quem me tratou a chicote
                                            E
Livrei o patrão de cobra, na hora de dar o bote
                  E          A
Eu sempre fui a madeira e o patrão foi o serrote
                         B                   E
Sofri mais do que boi velho com canga no cangote!

(coro)
                                               B
Da terra eu terei o ouro e o patrão fez o seu anel
                                          E
Mas agora estou velho, e meu patrão mais cruel
            E              A
Esta me mandando embora vou viver de léu em léu,
                      B                  E
O que me resta é esperar a recompensa do céu!

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *