Chora Viola – Tião Carreiro e Pardinho

E
Eu não caio do cavalo  nem do burro e nem do galho

Ganho dinheiro cantando a viola é meu trabalho
                   A                     B   ( B  A   B )
No lugar onde tem seca eu de sede lá não caio
                 E                     B      E
Levanto de madrugada e bebo pingo de orvalho  chora viola !

(intro)

E
Não como gato por lebre  não compro cipó por laço

Eu não durmo de botina  não dou beijo sem abraço
                    A                      B  ( B  A  B )
Fiz um ponto lá na mata caprichei e dei um nó
                 E                  B    E
Meus amigos eu ajudo  inimigo tenho dó  chora viola !

(intro)

E
A lua é dona da noite e o sol é dono do dia

Admiro as mulheres que gostam de cantoria
                       A                            B   (  B  A  B )
Mato a onça e bebo o sangue  furo a terra e tiro o ouro
                      E                    B      E
Quem sabe agüentar saudade  não agüenta desaforo  chora viola !

(intro)

E
Eu ando de pé no chão  piso por cima da brasa

Quem não gosta de viola que não ponha o pé lá em casa
                A                     B   ( B   A   B )
A viola está tinindo o cantador tá de pé
                    E                       B   E
Quem não gosta de viola  brasileiro bom não é  chora viola !

 


 

Mala Amarela – Tião Carreiro e Pardinho

(intro) G  D  G  D  C  D  G 

 

G                                                            D
Eu já consertei relógio a meia noite no fundo d'água
                                                                           G
Sem levantar o tapete com muita classe tirei o taco
                                                                               D
Eu já ganhei uma guerra sem dar um tiro e não é mentira
                                         C             D               G
Já fui no fundo da terra e voltei de lá sem fazer buraco

G                                                              D     G
Aprendi fazer colar só de pingo d'água e ficou bonito
                                                                               D
Eu fiz um laço de areia pra laçar bicho que não é fraco
                                                                       C
Amarrei onça no mato com reza brava ficou segura
D                                                                                G
Carreguei ferro em brasa tição de fogo dentro de um saco

                                                                          D
Topei uma corriola só de bandidos com pau e faca

Foi uma nuvem de poeira fiz a madeira virar cavaco
                                                                                   G
Eu transformei o meu braço em uma espada que só tinia
                            D                                           G
Arrebentei tantas facas veio a policia varrer os cacos

                                                                               D          G
Caminhei por baixo d'água igual um peixe e não sei nadar
                                                                                  D
Caminho que ninguém passa passo correndo e não empaco
     G                                                                 D
Já fiz a barba do leão sem usar sabão e sem a navalha
                         C            D                             G
Com a jamanta correndo troco pneu sem usar macaco

                                                                    D           G
O meu protetor é forte é o azulão do reino encantado
                                                                          D
Um salão todo azulado que tem no céu ele foi morar

E com sete santas virgens neste salão o azulão está
                                                                 G
E duas vezes por dia este salão Deus vai visitá

 


 

Amargurado – Tião Carreiro e Pardinho

 

C                                                         
O que é feito daqueles beijos que eu te dei
                                                           G
Daquele amor cheio de ilusão que foi a razão do nosso querer
                      
Pra onde foram tantas promessas que me fizeste
            F                  G                 C
Não se importando que o nosso amor viesse a morrer

C                                        
Talvez com outro estejas vivendo bem mais feliz
            C                             F
Dizendo ainda que nunca houve amor entre nós
                          G                  C           
Pois tu sonhavas com a riqueza que eu nunca tive
            Am            Dm              G                    C
E se ao meu lado muito sofreste, o meu desejo é que vivas melhor

         G             F               C
Vai com Deus, sejas feliz com o teu amado
                     G               F              C       
Eis aqui um peito magoado que muito sofre por te amar
         F                              G
Eu só desejo que a boa sorte siga teus passos
                        F
Mas se tiveres algum fracasso
            G                 C    
Creias que ainda te posso ajudar

       G             F               C
Vai com Deus, sejas feliz com o teu amado
                     G               F              C       
Eis aqui um peito magoado que muito sofre por te amar
         F                              G
Eu só desejo que a boa sorte siga teus passos
                        F
Mas se tiveres algum fracasso
            G                 C    
Creias que ainda te posso ajudar

 


 

Mesmo Castigo – Tião Carreiro e Pardinho

 

D                                      A
O Destino fez de nós duas vítimas do amor,
Eu não sei onde ela está…
                       D
Ela não sabe onde eu estou,
                       D                G
O Destino fez comigo,o mesmo que fez com ela;
                     D
Nos deu "O Mesmo Castigo":
                     A
Pois outra mulher comigo,
                 A   D  D C#m Bm  A
E outro homem com ela!
 A                 D
Ôôôôô…Destino ingrato,
              A
Foi cruel de fato,
              D
Não foi meu amigo…
     A                    D   Bm
Porque a luz dos meus passos,
                   A
Dorme em outros braços,
     A              D
Sonhando comigo!
D
Sei que ela também sofre…
                  A
Por que me ama demais
                     A                    D
Vivendo ao lado de outro,não pode viver em Paz

O mesmo se dá comigo,
 D                G
Da mesma sorte reclamo:
                     D
Eu sofro a mesma saudade,
                     A
distante de quem eu amo;
               A     D  D C#m Bm A
Não tenho felicidade!

 


 

Pagode em Brasília – Tião Carreiro e Pardinho

  G
Quem tem mulher que namora
                      D
Quem tem burro empacador

Quem tem a roça no mato
                       G
Me chama que jeito eu dou
                   G
Eu tiro a roça do mato
                C    D
Sua lavoura melhora

E o burro empacador
      C   D         G
Eu corto ele na espora
     D            G
E a mulher namoradeira
              D              G   D G D G C G D G
Eu passo um couro e mando embora
 G
Tem prisioneiro inocente
                    D
No fundo de uma prisão

Tem muita sogra encrenqueira
                      G
E tem violeiro embrulhão
                      G
Pros prisioneiro inocente
                C
Eu arranjo advogado
D
E a sogra encrequeira
       C    D     G
Eu dou de laço dobrado
      D             G
E os violeiro embrulhão
          D            G    D G D G C D G D G
Com meus verso tão quebrado
  G
Bahia deu Rui Barbosa
                  D
Rio Grande deu Getúlio

Em Minas deu Juscelino
                      G
De São Paulo eu me orgulho
                  G
Baiano não nasce burro
                    C
Gaúcho arrenda as cochilhas
   D
Paulista ninguém contesta
        C      D     G
É o brasileiro que brilha
  D                 G
Quero ver cabra de peito
      D            G     D G D G D D G C D G D G D
Pra fazer outra Brasília
 G
No estado de Goiás
                   D
Meu pagode está mandando

O Bazar do Valdomiro
                   G
Em Brasília é soberano
                         G
O repique da viola balanceia
          C
O chão goiano
                      G
Vou fazer minha retirada
                     C     D
E despedir dos paulistanos
  D                  G
Adeus que eu já vou embora
       D          G
Que Goiás ta me chamando

 


 

Margarida – Tião Carreiro e Pardinho

 

A       D
Ai margarida
     A          D
Margarida, meu amor
       G                   D
(Se os anjos do céu são loiros
          A          D
Ela é um anjo sim senhor.) (bis)
    G
Eu vou contar pra vocês
O jeito da margarida
                         A
É uma espiguinha de milho
                     D
No ponto de ser colhida.

(refrão 2x)
    G
A gente quando se espelha
Nos olhos da margarida
                         A
Vê duas pombinhas brancas
                     D
Beslicando nossas vidas

G
Quando ela toma banho
Na praia toda escondida
                         A
As ondas do mar se curvam
                         D
Ante as curvas da margarida

 


 

Preto Velho – Tião Carreiro e Pardinho

 

E                                               B
Perguntei ao preto velho: por que chora meu herói
                                          E
Preto velho respondeu: É meu coração que dói!

                                             B
Eu já fui bom candeeiro, fui carreiro e fui peão,
                                          E
Já derrubei muito mato e já lavrei muito chão
                 E        A
Com carinho carreguei os filhos do meu patrão
                 B                   E
Em troca do que fiz só recebi ingratidão!

(coro)
                                             B
Sempre chamei de senhor quem me tratou a chicote
                                            E
Livrei o patrão de cobra, na hora de dar o bote
                  E          A
Eu sempre fui a madeira e o patrão foi o serrote
                         B                   E
Sofri mais do que boi velho com canga no cangote!

(coro)
                                               B
Da terra eu terei o ouro e o patrão fez o seu anel
                                          E
Mas agora estou velho, e meu patrão mais cruel
            E              A
Esta me mandando embora vou viver de léu em léu,
                      B                  E
O que me resta é esperar a recompensa do céu!