João de Barro – Sérgio Reis

          E                       A
O João de Barro pra ser feliz como eu
               E                    A
Certo dia resolveu arranjar uma companheira
          E        D          A
Num vai e vem com o barro da biquinha
              Bm          E          A
Ele fez uma casinha lá no galho da Paineira

       E                   A
Toda manhã o pedreiro da floresta
                Bm           E            A
Cantava fazendo festa pra'quela que tanto amava
            E    D          A         
Mas quando ele ia buscar o raminho
                   Bm          E          A
Para construir seu ninho, seu amor lhe enganava

          E           D           A
Mas nesse mundo o mal feito é descoberto
                     Bm          E         A
João de Barro viu de perto sua esperança perdida
        E           D     E  A
Cego de dor trancou a porta da morada
                 Bm         E           A
Deixando lá sua amada presa pro resto da vida

         E          D          A                   
Que semelhança entre o nosso fadário
                   Bm              E             A
Só que eu fiz o contrário do que o João de Barro fez
         E         D           A 
Nosso Senhor me deu força nesta hora
                     Bm           E          A
A ingrata eu pus pra fora… onde anda eu não sei

 


 

Chalana – Sérgio Reis

Intro: D   

 

   D
La vai a chalana
       A      D 
Bem longe se vai
                
Navegando no remanso
              A   
Do rio do Paraguai
 G
Ah! Chalana sem querer
D
Tu aumentas minha dor
 A
Nessas águas tão serenas
                  D
Vai levando meu amor
 G
Ah! Chalana sem querer
D
Tu aumentas minha dor
 A
Nessas águas tão serenas
                  D
Vai levando meu amor
E assim ela se foi
                   A        
Nem de mim se despediu
G
A chalana vai sumindo
 A              D    
Na curva lá do rio
E se ela vai magoada
                      A
Eu bem sei que tem razão
Fui ingrato
                      D
Eu feri o seu pobre coração
G
Ah! Chalana sem querer
D
Tu aumentas minha dor
 A
Nessas águas tão serenas
                  D
Vai levando meu amor
G
Ah! Chalana sem querer
 D
Tu aumentas minha dor
 A
Nessas águas tão serenas
                D
Vai levando meu amor…

 


 

Escolta de Vagalumes – Sérgio Reis

(intro) A  Bm E A D E A

 

   A                 E          F#m  A
Voltando pra minha terra eu renasci
    D                  A                 D
Nos anos que fiquei distante acho que morri
    E                D                   A
Morri de saudade dos pais irmãos e companheiros
                              E
Ao cair da tarde no velho terreiro
          D                       A
A gente cantava as mais lindas canções
  E                D            A
Viola afinada e na voz dueto perfeito
                            E
Longe eu não cantava doia meu peito
            D        E     A
Na cidade grande só tive ilusões

(refrão)
       E                    F#m
Mas voltei, mas voltei, eu voltei
  E               D                A
E ao passar na porteira a mata o perfume
                           E
Eu fui escoltado pelos vagalumes
             D               A
Pois era uma linda noite de luar

       E                     F#m
Mas chorei, mas chorei, eu chorei
   E                    D                  A
Ao ver meus pais meus irmãos vindo ao meu encontro
                            E
A felicidade misturou meu pranto
                D       E     A
Com o orvalho da noite deste meu lugar

(intro) A  Bm E A A D E A

   A                E                F#m   A
Ganhei dinheiro lá fora mas foi tudo em vão
   D              A                 D
A natureza é meu mundo, eu sou o sertão
    E                 D                 A
Correr pelos campos floridos feito um menino
                            E
Esquecer as magoas e os desatinos
              D              A
Que a vida lá fora me proporcionou
  E            D             A
Ouvir sabiá cantando e a juriti
                             E
E a felicidade de um bem-ti-vi
            D      E    A
Que parece dizer meu amigo voltou

 


 

O Menino da Gaita – Sérgio Reis

 

 A        E             D          A 
Era um rapaz  /  Olhos claros bem azuis 
       E            D            A   
Andava só / Com uma gaita em sua mão 
D                 A                        E 
Ouça sua linda canção / Olhos tristes no chão 
      D      A      D       A  
E   cami…nha    sozi….nho 
 
 D                  A                       E 
Ouça lá vai ele a tocar / Notas tristes no ar 
    D        E    A 
É assim que pede amor 
 
         E          D             A 
Caminha  só, ninguém sabe de onde vem 
           E        D           A  
Triste a tocar, pela rua sem ninguém 
 D                 A                  E 
Sente uma lágrima vem, o seu rosto molhar 
         D    A           D   A    
Como a  chu…va  que    ca…i 
 
 D                   A                     E 
Ouça lá vai ele a tocar / Notas tristes no ar 
    D       E     A 
É assim que pede amor  (toca toca só pra mim) 
 
(solo de gaita) 
 
  D                A                      E 
Ouça sua linda canção / Olhos tristes no chão 
    D       A       D        A 
E cami . . .nha   sozi . . .nho 
 D                  A                      E 
Ouça lá vai ele a tocar / Notas tristes no ar 
    D       E     A 
É assim que pede amor (toca, toca só pra mim)

 


 

Filho Adotivo – Sérgio Reis

        D         Em             D

Com sacrificio eu criei meus sete filhos
        A          D
Do meu sangue eram seis
       Bm               Em
E um peguei com quase um mês
                     B           Em
Fui viajante, fui roceiro, fui andante
                       A
E pra alimentar meus filhos
            D             A
Não comi pra mais de vez
    D                Em      D
Sete crianças, sete bocas inocentes
       A            D
Muito pobres mas contentes
       Bm         Em
Não deixei nada faltar
                        B          Em
Foram crescendo, foi ficando mais difícil
                   A
Trabalhei de sol a sol
                D           A                     
Mas eles tinham que estudar
    D                   Em             D
Meu sofrimento, ah!, meu Deus valeu a pena
        A           D
Quantas lágrimas chorei, mas tudo
Bm            Em
Foi com muito amor
Sete diplomas, sendo
B              Em
Seis muito importantes
                     A
Que a custa de uma enxada
                                D  
Conseguiram ser doutor
            G           A           D
Hoje estou velho, meus cabelos branqueados
      Bm            Em
O meu corpo está surrado
        A             D         
Minhas mãos nem mexem mais
        G            A             D
Uso bengala, sei que dou muito trabalho
           Bm         Em
Sei que às vezes atrapalho
      A           D    G A D Bm G A D
Meus filhos até demais
          D            Em         D
Passou o tempo e eu fiquei muito doente
      A       D
Hoje vivo num asilo
        Bm            Em
E só um filho vem me ver
                       B
Esse meu filho, coitadinho
         Em
Muito honesto
                 A
Vive apenas do trabalho
                 D       A           
Que arranjou para viver
           D
Mas Deus é grande vai
   Em           D
Ouvir minhas preces
      A           D
Esse meu filho querido
       Bm             Em
Vai vencer, eu sei que vai
Faz muito tempo que 
    B             Em
Não vejo os outros filhos
                   A
Sei que eles estão bem
       A          D  
Não precisam mais do pai
        D          Em          D
Um belo dia, me sentindo abandonado
          A            D
Ouvi uma voz bem do meu lado
       Bm            Em
Pai eu vim pra te buscar
Arrume as malas
       B         Em
Vem comigo pois venci
                        A
Comprei casa e tenho esposa
         A       D  D
E o seu neto vai chegar
        G         A             D
De alegria eu chorei e olhei pro céu
     Bm         Em          A        D
Obrigado meu Senhor a recompensa já chegou
             G                A          D
Meu Deus proteja os meus seis filhos queridos
       Bm        Em
Mas foi meu filho adotivo
          A          D
Que a este velho amparou

 


 

Tocando Em Frente – Sérgio Reis

 

G                             F
Ando devagar porque já tive pressa
                                   C
e levo esse sorriso, porque já chorei demais
G                                        F
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
                                    C              G
eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, ou nada sei

      F              Dm          F
      Conhecer as manhas e as manhãs,
                  Dm          C
      o sabor das massas e das maçãs,
      F           Dm           F
      É preciso amor pra poder pulsar,
      F          Dm               F
      É preciso paz pra poder sorrir,
                 C
      É preciso a chuva para florir.

G                                     F
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
                                     C
compreender a marcha,e ir tocando em frente
G                                    F
como um velho boiadeiro levando a boiada,
                                     C                G
eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou, estrada eu sou

(Refrão)

G                                  F
Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
                                     C
Um dia a gente chega, no outro vai embora
G                              F
Cada um de nós compõe a sua história,
                                    C            G
e cada ser em si, carrega o dom de ser capaz, de ser feliz

(Refrão)

G                            F
Ando devagar porque já tive pressa
                                  C
e levo esse sorriso porque já chorei demais
G                              F
Cada um de nós compõe a sua história,
                                    C            G
e cada ser em si, carrega o dom de ser capaz, de ser feliz.

 


 

Tristeza do Jeca – Sérgio Reis

 E      A             E
Nestes versos tão singelos
       A          E
Minha bela, meu amor
 E     A           E
Prá você quero contar
         A              E  
O meu sofrer e a minha dor
A                 E
Eu sou como o sabiá
                     B
Quando canta é só tristeza
                     E
Desde o galho onde está
B                               E
Nesta viola eu canto e gemo de verdade
B                            E
Cada toada representa uma saudade
E      A          E
Eu nasci naquela serra
        A              E
Num ranchinho a beira chão
      A          E
Tudo cheio de buraco
        A           E   
Onde a lua faz  clarão
A                   E
Quando chega a madrugada
                 B
Lá no mato a passarada
                E
Principia o barulhão
B                               E
Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
B                            E
Cada toada representa uma saudade
E        A          E
Vou guardar minha viola
        A            E
Já não posso mais cantar
        A           E
Pois o Jeca quando canta
      A            E   
Dá vontade de  chorar
A                 E
O choro que vai caindo
                   B
Devagar vai se sumindo
                      E
Como as àguas vão pro mar
B                               E
Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
B                            E
Cada toada representa uma saudade

 


 

Menino da porteira – Sérgio Reis

A
Toda vez que eu viajava
                      E
Pela estrada de Ouro Fino
De longe eu avistava
                  A
A figura de um menino

Que corria abrir a porteira
                   E
Depois vinha me pedindo
Toque o berrante seu moço
          D     E     A
Que é pra eu ficar ouvindo
       D
Quando a boiada passava
                  E
E a poeira ia baixando
Eu jogava uma moeda
            A
Ele saia pulando
Obrigado boiadeiro
                        E
Que Deus vá lhe acompanhando
Pra aquele sertão afora
        D     E    A    E A E A E A E A E A
Meu berrante ia tocando

A
No caminho desta vida
                         E
Muito espinho eu encontrei
Mas nenhum caso mais fundo
                   A
Do que isso que eu passei

Na minha viagem de volta
                      E
Qualquer coisa eu cismei
Vendo a porteira fechada
     D    E        A
O menino não avistei
 D
Apeei do meu cavalo
                        E
Num ranchinho à beira chão
Vi uma mulher chorando
                     A
Quis saber qual a razão
Boiadeiro veio tarde
                     E
Veja a cruz no estradão
Quem matou o meu filhinho
        D   E       A  E A E A E A E A E A
Foi um boi sem coração
A
Lá pra banda de Ouro Fino
                 E
Levando gado selvagem
Quando passo na porteira
                 A
Até vejo a sua imagem

O seu rangido tão triste
                    E
Mais parece uma mensagem
Daquele rosto trigueiro
     D     E    A
desejando-me boa viagem
    D
A cruzinha do estradão
                       E
Do meu pensamento não sai
Eu já fiz um juramento
                   A
Que não esqueço jamais
Nem que o meu gado estoure
                     E
Que eu precise ir atrás
Nesse pedaço de chão
     D           E     A
Berrante eu não toco mais

( E A E A E A E A E A )

 


 

Novilha – Sérgio Reis

Introdução: D A D  

 

Retirou o trinco da cancela  
                            A 
Dentro da fazenda do meu peito  
 
Pôs o seu sorriso na varanda,  
G                              D 
Descansou seu dorso no meu leito. 
 
Bebeu da água limpa do meu rio  
            D                  G 
Correu no verde pasto do meu campo  
                             D 
No gosto doce desse amor brioso  
                   A                     D   
Quero galopar de novo no teu corpo maravilha –  
G                           D 
Dentro da fazenda do meu peito  
                    A                       D 
Eu preciso dar um jeito de amansar essa novilha.  
 
A       D                      G 
A porteira do meu coração se abriu  
A                           D 
Ela entrou e nunca mais saiu –  
                                G 
A porteira do meu coração se abriu      
A                         D       Introdução:  
Ela entrou e nunca mais saiu.  
 
D  
Nos mourões, na cerca, na cocheira  
                                A 
Tem uma paixão que o vento espalha  
                          
Fere com esporas minha alma  
G                            D 
Molha meu amor, chapéu de palha.  
 
Quero me encontrar nos teus encantos  
                D                 G 
Desfrutar nas sombras dos teus beijos  
                          D 
Gosto da emoção da tua boca  
                          A                      D   
Me entreguei de rédeas soltas alazão quarto de milha.  
G                          D 
Dentro da fazenda do meu peito  
                    A                        D 
Eu preciso dar um jeito de amansar essa novilha.